sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Testamento

Olá, vim aqui hoje pra lhes contar o seguinte: não agüento mais. A vida ta ficando cada vez mais difícil, e, sinceramente, não ta mais valendo a pena continuar. Fui feliz, admito, já tive meus momentos de tristeza, mas nada comparado ao que tenho vivenciado nesses últimos dias. Talvez a perda de algo muito importante, perda para a qual eu não estava preparado.
Eu tenho tentado me aliviar, mesmo sem saber, eu tenho tentado remediar, mas não dá. As coisas simplesmente parecem não ter mais jeito. Quando ajeito a vida de um lado, o outro desaba, cai sobre a minha cabeça, me sufoca, me oprime. É uma avalanche de desastres que se abate sobre mim, e a cada dia que passa eu me canso mais.
Não sei ao certo quando tudo isso começou, só sei que de uns tempos pra cá tenho andado de saco cheio de tudo, acordar, levantar, tomar banho, trabalhar, voltar pra casa, estar sozinho... esse vazio tão grande que tem me tomado, esse desamor que chegou de supetão e me derrubou, me quebrou ao meio, me desfez.
Ando cansado das pessoas, de tanta falsidade, tanto “nhenhenhe”, ando cansado de ouvir músicas que até uns dias atrás me faziam tanto sentido, e hoje são apenas palavras esparsas, soltas numa melodia que as carrega como o vento, que já levou tanta coisa de mim.
A vida já me tirou tanta coisa. Tudo que era importante, tudo que me fazia bem. Meus sorrisos, carregou como se fossem folhas secas, que qualquer brisa consegue deslocar. E o sofrimento, ah, esse ficou sobrando. O meu amor, que tão verdadeiro era, a vida tirou de mim, as promessas eu não pude cumprir, e isso me mortifica.
Não posso negar que ultimamente viver, pra mim, tem sido algo raro, tenho apenas existido, vegetando, mostrando os dentes num gesto autômato e sem nexo. Não posso mais esconder a minha tristeza, isso está se tornando impossível. Nem sequer tenho vontade de responder “sim” quando alguém pergunta se está tudo bem, não, não está!
Eu só pedi companhia e atenção, e tudo isso me foi negado. Fui abandonado, longe de todos, sozinho, fazendo algo que não gosto, me preparando pra uma vida que eu não queria levar. Tive meus sonhos desmantelados, aos pouquinhos, fui me despindo dos meus planos, fui me frustrando com os planos que já estavam prontos pra mim.
Acho que errei no começo, quando planejei demais, sonhei demais, mas agora não tem volta. O fundo do poço é frio, pra quem quer saber. O fundo do poço é feio, é asqueroso, não quero continuar aqui. Vou sair daqui pra ficar na memória de todos aqueles que eu amei, que foram importantes na minha vida. Vou sair daqui, pra não voltar mais, e não correr o risco de cometer mais uma vez os mesmos erros.
À minha família, deixo todo o meu carinho. Aos meus amigos, o meu companheirismo. À pessoa mais importante pra mim, que perdi, deixo todo meu amor, deixo meus beijos, meus abraços, deixo tudo. Aos meus pais, aquele amor incondicional. Aos meus irmãos, o desejo de que a vida seja com eles o que não foi comigo. A quem me magoou, deixo o meu perdão. A quem eu odiei, um mero pedido de desculpas. Só espero ter deixado algo bom, em cada pessoa que passou pela minha vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário